quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Tem ucraniano no samba


Já virou tradição: quinta-feira é dia de samba no BarBaran. Há quase três anos sob o comando de Igor Mazepa Baran, o cinquentenário bar da Sociedade Ucraniana do Brasil (Alameda Augusto Stellfeld, 795, Curitiba) se tornou um ponto de encontro de um público variado, das mais diversas faixas etárias, que se reúne para beber, conversar, degustar pratos e petiscos típicos e, às quintas, cair no samba, com eventuais pitadas de choro, bossa-nova e MPB, do trio Lamara. A ordem é se divertir muito gastando pouco.

Mas nem só de samba vive o BarBaran: toda terça-feira, os aficionados do jazz se reúnem para assistir às performances dos músicos Vinícius Sete Cordas (violão) e Matoso (sax), que contam com a canja de Saul Trumpet (trumpete). A novidade é a Quarta Gourmet: a cada semana, um prato especial estará disponível às quartas-feiras.


“Assumimos o bar, em março de 2008, com uma proposta diferente do que vinha sendo feito até então”, conta Igor. “Resolvemos rejuvenescer o público.” Isso não significa que os frequentadores tradicionais tenham se afastado. Pelo contrário, o bar ficou com um perfil mais eclético.

Mas é mesmo nas noites de samba que a casa está sempre cheia. Numa quinta-feira, o bar chegou a receber o público recorde de 300 pessoas. O sucesso é tão grande que as reservas de mesas são feitas com uma ou até duas semanas de antecedência. Formado por Fernando Lamarão (vocal e violão), Ricardo Oliveira (percussão) e Anderson Alves Pereira (pandeiro), oTrio Lamara garante a sonzeira das 20h30 às 23h30. Por volta das 22h, a animação já contagiou os frequentadores: praticamente ninguém fica parado.



A animação não fica restrita ao lado de dentro do bar: no pátio externo, ao ar livre, muitos frequentadores aproveitam para conversar, enquanto os fumantes dão suas baforadas.

Igor se define como “cria da casa”. Oriundo da Sociedade Ucraniana, ele dançou no grupo folclórico do clube. “Meus avós foram donos do bar no fim dos anos 60, quando era exclusivo para sócios”, lembra. Mesmo sob o comando de novos arrendatários, o acesso continuou restrito até a década de 70. Somente por volta de 1980 é que o bar foi aberto ao público externo. A noite curitibana agradece.



Boa comida é o que não falta no BarBaran. O cardápio inclui, entre outras delícias, o tradicional varenek (o mesmo pierogi dos poloneses, pastel típico com recheios de requeijão ou repolho com batata, acompanhados de molho calabresa, carne ou nata), salsichões alemães vermelhos e brancos (bockwurst e bratwurst), cracóvia (embutido de carne suína), sanduíches (como o pão com bolinho), caldinho de feijão e diversas porções (como batata frita, aipim frito e calabresa).

O BarBaran abre de terça a sexta-feita às 16h e permanece aberto até 1h (exceto às quartas, quando fecha à meia-noite). Nos fins de semana, o bar funciona das 11h às 20h30, quando costuma ser frequentado mais pelo público interno da Sociedade Ucraniana, inclusive as crianças do grupo de dança folclórica. O acesso é pela entrada de veículos na lateral da sede do clube.


Nenhum comentário:

Postar um comentário